A sua doce imagem no Lago

A sua doce imagem brilhando no lago,
quem sabe, seja uma pintura de Deus...
para encher de encantos os dias meus,
talvez seja um capricho da natureza
que cria tantas coisas belas,
as quais em minha vida nunca existirão...

O doce brilho de seu sorriso
era como o Sol, logo quando acaba de chover...
E seus olhos tão puros,
como um campo verde...

A sua doce imagem brilhando no lago,
é como um doce sonho...
E o seu hálito deve ser puro e fresco
como o vento que sopra nos campos de Eucalipto...

As suas Formas,
nunca meus olhos puderam ver tanta perfeição...
E sua voz...
...é algo sem explicação,
como todo o seu ser...
[tags: poesia amor; poesia lago;]

A beira do Lago

Quando criança, lembro de ficar horas
olhando para uma imagem que havia
na parede da sala da minha casa

era a imagem de um lago
imenso
azul
calmo
brilhante

Hoje, quando eu estava a observar
as pessoas sorrindo e gritando dentro da água,
esta imagem renasceu em minha mente triste
como um presente, que veio me lembrar
que um dia já tive um esboço de felicidade...

[tags: poesia lago; poesia lembrança;]

Busca

Contato

Para entrar em contato com o poeta Eduardo Gonçalves, basta deixar um recado no seu perfil do [ORKUT]

Ou deixe um recado nos comentários e estarei entrando em contato com você.
O seu recado só será visto por mim.

Noite Feliz

Esses passos que escuto
se repetindo no corredor,
essa sombra que vejo
por baixo da porta,
alegra meu negro coração,
que se agita em meu peito...

Essa brisa fria
que enche os meus pulmões
me traz o doce cheiro
do corpo dela,
e meus lábios clamam
para enlaçarem-se
naquela alva pele
de ardentes desejos...

Esse silêncio e solidão
prestes a se findar
pelo nosso ofegante respirar...

E de repente
será dia
nosso corpo um só
e teus olhos, teus doces olhos
serão meu horizonte de amor...

[tags: poesia amor, poesia casais, poesia noite]

Natureza Morta

Deitado no pequeno espaço
entre essas duas covas frias
eu tento me esconder
até a noite chegar...

Os minutos demoram passar,
e esse silêncio fúnebre
me faz adormecer calmamente...

De repente sinto o vento de asas
e abro os olhos e vejo a lua
refletida nas placas que cobrem os túmulos...

Levanto e caminho descalço meio as rosas murchas,
e túmulos ainda frescos,
a brisa fria toca meus lábios qual um doce beijo...

Meu ser está em paz,
não me sinto mais diferente de todos,
pois apesar de ainda respirar, estou morto...

Às vezes uma coruja vem e silenciosamente
fica olhando em meus olhos,
e mais uma vez uma estranha paz
me envolve quando mergulho
naqueles doces horizontes cinzentos...

Quando percebo, por de trás das árvores
secas e retorcidas vejo as nuvens de sangue
anunciando que tenho que ir para casa,
e uma lágrima cai de meu olho...

Aprendi a amar a noite,
pois nela me descobri,
aprendi a temer o dia,
pois tudo parece inalcançável...

[tags: poesias góticas, tristes, solidão, túmulos, cemitério, coruja]

Quero um lugar só nosso...

Quero fugir daqui,
quero caminhar livremente
meio aos campos e bosques,
quero repousar tranquilamente
a beira de um riacho
de águas límpidas e frias...

Quero fugir daqui,
quero sentir o calor
do corpo dela junto ao meu
bem longe dessa fria
e monótona paisagem cinzenta...

Quero fugir daqui,
estou cansado de me perder
entre linhas de 0 e 1,
if, else, for ou while...

Quero fugir daqui,
enlaçado ao seu corpo
quero olha-la nos olhos
e admirar através deles
toda a beleza das estrelas no céu...

[tags: poesias amor, poesia termos tecnológicos]

Coisas da vida

System.out.print(“Olá mundo!”);

Estou aprendendo a querer viver,

vida=amor;

vida+=fé;

vida+=coragem;

vida+=amigos;

Estou aprendendo a somar,

00¹01

+

0001

---------

0010

Sorrir

;)

Gritar

:@

Chorar

:´(

A cancelar um laço ‘for’ no patético ‘DOS’ de minha vida...

...toda vez que vira rotina aperto Ctrl+c...

Estou aprendendo que tudo deve se convertido,

int bom;

bom = Integer.parseInt(txtPessoas.getText());

E que devo devolver na mesma forma que recebi,

txtPessoas.setText(String.valueOf(bom));

Aprendi que deixar para depois é em vão,

Pois o ‘depois’ não existe...

Aprendi a dar flores

@>-

Estou aprendendo Inglês,

‘the book is on the table’,

Aprendi e já esqueci o ‘Esperanto’

Língua desenvolvida por Lázaro Luís Zamenhof

‘Salutoj Amikoj!’

Aprendi a fazer a tabela ASCII,

#include

#include

int main()

{

unsigned char a;

for(a=1;a<255;a=a+1)

printf("%3i = '%c'\t",a,a);

system("PAUSE");

}

Li um tutorial de como fazer o Tux,

E aprendi a fazer desenhos em gel...

Estou aprendendo a importância dos amigos...

Estou aprendendo que ‘não’ muitas vezes é ‘sim’...

Estou com sono,

puts(“bye-bye”);

System.exit(0);

Distante

À menina que vi do outro lado da rua...
__________________________________________________________

Os rubros lábios dela sorrindo na distância, silenciosamente fiquei a admirar...
Distante, nem o voz dela consegui escutar,
mas a brisa trazia o leve e doce cheiro dela...
Ela era como aquela rosa no mais alto galho,
era aquela rosa que eu tanto quero colher e senti de mais perto o cheiro...

Hoje

Meus tantos sonhos que perderam-se em reticências, a vida que deixei para o amanha, amanha esse que nunca chega, os medos que inventei, as lágrimas que derramei, hoje são memórias frias e amargas que me corroem em remorso qual uma fera que devora sua presa...

Vovô morreu...

Telefone tocou
eu estava abrindo o portão de casa,
estava voltando da faculdade,
mamãe gritou meu nome...
no telefone uma voz trêmula falou entre lágrimas:
"...Vovô morreu, o coração não aguentou..."

Herói Esquecido

Como é o meu pai?
Pergunta difícil de responder
As lembranças que tenho são vagas...

Ele esta vivo, mas nem parece...
Como é o abraço de meu pai?
Como é a voz dele?

Não sei, não sei... não sei!!!
Pensamentos viis teimam em me mostrar
esse vazio, esse medo...

Ele nem sabe o que eu queria ser...
Sonhava ser como ele,
ele era meu super-herói...

Hoje, pensei e percebi, sou como ele,
idêntico a ele, e me assustei...
...Me tornei a ausêcia que ele é pra mim...

Quem é meu pai? Já nem sei...
Quem sou? Também não sei...
...Esse medo, esse vazio...


[tags: Poesia dia dos Pais]

Juras secretas

As palavras que eu te disse,
os beijos que eu te dei,
os abraços que te ofertei,
as fantasias e planos que fiz...

...talvez tudo tenha sido em vão,
pois você nunca pareceu entender
o quanto eu senti por ti...

...talvez foram palavras secretas,
e você não soube entender...
...talvez você não quis entender...

Mas tudo que eu quis se perdeu...
Não fiz você sorrir,
ao contrário, chorei quando você partiu...
E essas palavras se repetem em meus pensamentos...

Quando te descobri

Quando um beija-flor descobre
uma bela rosa lá no alto do galho,
ele rapidamente vai a seu encontro,
e flutua sorvendo dela a doce saliva...

Quando eu te descobri,
bela rosa, lá no alto do galho,
tão distante de meus abraços,
rezei para ter asas...

Uma noite ao luar

A meia luz do brilho de teu meio sorriso,
fiquei paralisado a te observar...
E olhando em teus brilhantes olhos negros,
quase fechados, é impossível não sonhar...

Gotas de Orvalho

O sol, tão distante, surgia no horizonte,
o vento ainda cortante e a neblina fria
deixava tudo cinza e triste,
as luzes acessas, cheiro de café...

Poucos pássaros à gorjear,
alguns automóveis quebrando à doce harmonia...
Alguns relógios despertando a vizinhança...
A televisão ligada no jornal matinal...

Seria tudo igual... Seria...
Não fosse por hoje eu ver pela minha janela
aquele pequeno beija-flor tirando vida
daquela confusão, daquele frio...

Tudo seria exatamente igual,
não fosse eu ter visto aquele pequeno ser
sorvendo as frias gotas do orvalho
nos rubros lábios da rosa mais alta do jardim...

Quando Acordo...

Quando acordo e abro os meus olhos,
lentamente o meu sorriso se esvai,
pois conforme vou acordando,
a realidade vem chegando...

...e lembro desta algoz distância
que separa os meus lábios
dos doces sorrisos teus...
Sorriso que me levam aos céus...

Quando acordo e abro os meus olhos,
em minha face sonolenta
brilha o sorriso que germinou
naquela noite primeira em que te beijei...

É tão triste pra mim
não poder sentir todos os dias
aquela tão forte alegria
de poder sentir teus abraços...

Marina (Acróstico)

Melancolicamente minha
Alma acorda
Revendo raros
Instantes inesquecíveis,
(Nós na noite)
Avoco-te anjo!!!

Recado à Baudelaire

Charles, infernal

amante da morte e dor,

diga-as que eu não às quero!...

Wallpapers, papéis de parede...

Para fazer o Download do papel de parede, clique com o botão direito do mouse e escolha a opção "Salva destino como" . Os papéis de parede abaixo foram retirados do site DeviantArt.com.























Sobre a paixão...

Se apaixonar é fácil,
difício é ser correspondido,
é por isso que há essa multidão
de corações feridos...

Quando eu morrer...

Quando eu morrer
que seja de repente,
que eu tenha vivido tudo
e não tenha nenhum sonho carente...

Não quero mais amores de sábado

Busco nesses turvos caminhos
que a vida me oferece
encontrar alguém por quem
meu coração bata mais forte,

alguém que eu olhe
e me sinta seguro
pra dividir os meus sonhos
e meus segredos mais íntimos,

alguém que eu possa proteger,
dar carinho e atenção,
e caminhar lado à lado
nas noites tempestuosas...

Busco a minha flor
que nasce no monte mais alto,
busco o meu imenso céu,
onde plantarei constelações de poetas...

Busco, apesar de tudo
me mostrar que é impossível
existir o amor puro,
e desinteressado...

Não quero mais amores de sábado,
quero amar todo dia,
não quero o rastro de cometas,
eu quero a estrela d’alva...

Desilusão

Idealizo tanto
que dói-me o peito
ao ver que tudo
é tão triste e vazio...

... e depois me ausento,
mais e mais ainda,
me ausento até dos sonhos,
me ausento de mim...

Amizades, família,
tarefas, trabalhos,
tudo fica suspenso,
qual um sonho vazio...

Se me ferir,
já nem choro,
já nem sinto,
pois estou tão ausente...

Vou ligar a Tv,
talvez eu melhore...

Tercetos à Aline

Brilhou na distância
e me enfeitiçou
a negritude de seu olhar...

... lembranças da infância
seus olhos me recordou,
ah! como era fácil sonhar...

Mariana II

Seu olhar,
uma questão abstrata e oculta
que tentei decifrar...

Seu nome,
vibrações celulares
que distorcem o ar,
me penetram os ouvidos
e me estraçalha o coração...

Seu perfume, seu toque,
seu calor, seu sabor,
um doce café da manhã
ao brilhar da estrala d’alva...

Seus seios,
hoje tão longe de mim,
como dois altos picos gêmeos
em terras distantes...

Valéria, minha vampira impura

Vem minha vampira impura,
minha triste sombra vazia...
Vem e deixa-me depositar
estrelas no teu negro céu...

Vem minha vampira impura,
meu triste anjo torto...
Vem e deixa eu me embriagar
em teus venéficos lábios...

Vem Valéria, vem vampira impura,
deixa-me acalentar este
negro pássaro espalmado
que voa em teu quase alvo céu...

Vem, que juntos nos livraremos
desse algoz spleen que nos aflige...

Alma do Outro Mundo

Escondido meio à sombra,
estático como um corpo frio,
vagando na sombra oculto,
silenciosamente e só...

Ser inanimado, vazio,
que chora ao ver em sonhos
o esboço de uma vida,
de toda uma vida que poderia ter sido...

Ser alheio aos fatos mais cotidianos,
como sorrir com os amigos,
ser alheio à própria vida,
ausente, vazio, vago, nulo...

E este ser tão alheio,
essa Alma de Outro Mundo,
sou Eu meu Deus! ... meu Deus...
Eu queria ser como os demais! ...

Ausência VI

Pra evitar quebrar as regras
me ausentei do mundo
e de tudo que eu poderia ter vivido...

Hoje, nem sou um livre verso,
nem soneto algum,
sou apenas palavras vazias
jogadas em desordem
em um papel de pão
rasgado e amassado...

Ausência V

Dos meus sonhos mais íntimos
nada mais resta além
do fogo de constelações
extintas à milênios...

Hoje em dia meus amores
e meus pensamentos
passam como estrelas cadentes
deixando um brilho que logo se esvai...

Ausência IV

Caminho solitário.
era por aqui que passávamos,
bem ali naquele banco
juntos sentávamos...

Hoje, meus dedos
são enlaçados
por essa névoa fria de tua ausência...
Estou tão machucado...

Estou só, como um navio
perdido numa tempestade
no meio do oceano...
Esta me matando essa insanidade...

Não aceito a idéia
de você ter morrido em meu destino...
Sem a tua presença,
me sinto um solitário menino...

Mais uma História não dita (Poesia Social)

Na fria e vil madrugada,
pequenos inocentes
‘stão envoltos em notícias,
e deitados na calçada...

Seres que nem sonham mais,
tantas vidas perdidas,
pequenos inocentes,
vivem qual animais...

E o culpado não é o governo,
e sim você, pois não exige
uma solução e deixa que
elas padeçam no inverno...

Eterna Lembrança (Acróstico)

Me guardou no ventre
A tua carne, sangue e vida
Entregaste à mim...

Mãe tu és quem na noite
Atenta me acalentava
Enquanto eu espirrava...

Mostrando carinho
Aleitou-me com teu
Elixir da vida

Mãe, por toda a tua
Atenção, como ontem, hoje
E , assim, eternamente:

Ao pensar em amor
ou lembrar que um dia fui amado,
lembrarei de ti...

Mariana

A ternura de teu toque,
hoje é uma ausência,
um toque frio do orvalho
durante a madrugada vazia...

Teus abraços tão doces,
de perfumes de açucena,
eram aconchegantes qual
o ninho do beija-flor...

Tua voz, a ternura
com que ela me dizia
palavras cheias de volúpias
e desejos, parecia uma canção angelical...

Teu olhar, agora tão distante,
tão estranho à mim,
tão contrário e vazio,
tão indiferente ao que vivemos...

Teu perfume, ainda o mesmo,
um perfume doce embriagante,
um perfume que é vinho
um perfume que é a minha perdição...

Deixa – me

Quero tanto olhar em teus olhos,
quero olha-los com toda inocência,
com toda liberdade de livres versos,
e com todo o carinho e ternura
de um pequeno beija-flor...

Quero tanto olhar em teus olhos
e me ver neles refletido,
quero tanto estar contigo,
e ser mais que um bom amigo...

Tercetos tristes

O nosso amor foi como
uma promessa de chuva
no árido e morto sertão...

Compramos sementes pra plantar,
sonhamos tantos sonhos,
mas no final foi tudo em vão

a historia se repetiu
e as nuvens se dissiparam
muito antes de chegar ao sertão...

O vinho do solitário

À pouco raios cortavam os céus
e iluminavam minhas
lágrimas no espelho,
agora há no ar um cheiro
de terra molhada,
e uma brisa fria...

Agora, em muitos quartos,
muitos casais se aquecem
e se beijam apaixonados,
enquanto eu aqui, estou
agarrado à uma garrafa de vinho,
inventando amigos, mulheres e histórias
que jamais existirão, infelizmente...

Enquanto a chuva cai

Enquanto a chuva cai
e o cheiro de terra molhada
traz a sensação de paz,
aqui, trancado em meu quarto,
triste eu fico a pensar
em tudo que não viveremos...

Gotas caem. A chuva aumenta,
minhas lágrimas também,
e os trovões emudecem
os meus soluços de saudade...

Desejo tanto olhar em teus olhos,
segurar em tua mão e beijar-te,
eu sei que é impossível,
mas gostaria que você soubesse...

Enquanto a chuva cai
e o cheiro de terra molhada
traz a sensação de paz,
aqui, trancado em meu quarto,
triste eu fico a pensar
em tudo que não viveremos...

Ainda era noite

Acordei, ainda era noite,
mas não estava frio
e pra minha surpresa
não havia nada de sombrio...

Acordei, ainda era noite,
apenas faíscas no horizonte,
e uma brisa leve
acariciava minha fronte...

Acordei, ainda era noite,
pela porta entre aberta
uns raiozinhos de luz
iluminavam-na descoberta...

Acordei, ainda era noite,
e se eu tivesse sabido
o que veria, pra ver mais
eu nem teria dormido...

Acordei, ainda era noite,
e vi o que durante o dia
ninguém nunca viu...
Ah! que alegria...

Acordei, ainda era noite,
ela ainda acordada,
olhava-me com um doce
olhar de apaixonada...

Quando você passa...

Meu peito dói, qual se lanças
o perfurassem por dentro,
toda vez que você passa,
parecendo nem me ver...

Te quero tanto ao meu lado,
sem tua luz, a escuridão
me aprisiona e me machuca,
qual algoz e vil madrasta...

Versos Ausentes

Meus melhores poemas foram
aqueles que não escrevi,
Meus melhores amigos foram
aqueles que eu perdi...

Meus momentos inesquecíveis foram
aqueles que não vivi,
e os melhores beijos e abraços foram
todos os que não senti...

Fabiana

Naquela fria noite
sem querer me encantei
pelo brilho de teu olhar
e pelo teu doce sorriso...

Oh! Por que a tua imagem
não se apaga de meus pensamentos?
Por que a minha boca
pronuncia o teu nome?

Naquela fria noite
eu vi você passar,
tentei fechar meus olhos
tentei não me apaixonar...

Dama Fria

Oh! Por que minha dama fria
ao despontar o dia incerto
teu lugar vejo deserto
e se finda minha alegria?

Oh! Por que minha dama fria
me das estes tão frios beijos
fingindo nenhum desejo
apenas porque raiou o dia?

Oh! Por que minha dama fria
me afaga e enche de carinho
depois me deixa sozinho
nessa cama fria e vazia?

Aves Caidas (Poesia Social)

Ana
Verônica
Elisa
Samanta
Camila
Aline
Ignês
Daniela
Amélia
Sofia,
Anjos corrompidos
Vivendo humilhadas
Esquecidas nas ruas
Solitárias e tristes
Com suas covas
Aguardando algum
Idiota sem amor mas com
Dinheiro para
Agarra-lo
Sem amor ou pudor,

como aves caídas à espera de migalhas...

Luiza

Logo que olhei em teus olhos,
Um encanto me invadiu,
Instantaneamente fiquei
Zonzo, e não fiz mais nada,
Além de te observar na distancia...

Luiza

Quando, pela primeira vez,
eu realmente te vi, me perdi
na luz de teu sorriso tímido,
e encantado esqueci do mundo,

esqueci de tudo, de todos,
e permiti me apaixonar...
...Agora que tua imagem é apenas
uma lembrança em meus pensamentos,

choro, pois você nem me nota
meio a multidão de admiradores...
Sofro, pois já deves ter outro
habitando teus pensamentos...

mas de algumas forma, algum dia
a epiderme de teu sorriso
vai estar enlaçada em meus lábios
e te farei muito feliz...

To my little Ann

Seu cabelo no ar
lembra-me dos dias
que atravessei o mar
buscando lhe encontrar...

Seu cabelo no ar
é uma bandeira a flamejar,
é pássaros a voar,
é minha alegria...

Seu cabelo no ar
minha fantasia
prestes a se realizar,
como é bom te amar...

I miss you

Calmamente adormeci
revendo umas antigas fotos tuas,
revivi em sonhos
todos aqueles doces momentos,
em que eu me enlaçava
em teus mais belos sorrisos
e segurava tua mão
enquanto via o sol se pondo
no nogado horizonte de teu olhar...

...quando acordei
o dia já era mais outra noite,
e na madrugada fria,
mais uma vez
eu chorei a tua ausência
em meus braços...

Teus olhos e teus olhares

Teus olhos, teus doces olhos de mel,
são duos pontos brilhantes no horizonte,
são duas estrelas distantes no céu...

Teus olhos, teus doces olhos de mel,
quando tímidos me olham, me encantam
e me levam tão alto, perto do céu...

À tua espera

Quando partiste, em meu peito
ficou um extremo vazio...
..sozinho, fica a tua espera
numa insana vigília...

De tua bela forma nua,
de repente vejo o vulto
pedindo o antigo prazer
dos ardentes beijos meus...

...de repente acordo e me
vejo aqui, tão solitário,
triste, abandonado ao pó...
...minha face se enche de lágrimas...

...e me lembro de que tu
agiu como se me amasse
e eu, iludido te segui...
...E tu sorrias tanto, tanto...

E com os mesmos risos de
infernais encantos, em
um passado negro, me
deixaste nessa vã espera...

Baldado degredo

Nesses tantos dias e meses,
que sozinho tristemente
percorri, por eu não estar
preparado, infelizmente,

tentei apagar-te de todos
os meus tantos pensamentos...
...me afastei dos olhos teus...
...Na distancia, um vil tormento

me invadiu e me machucou...
Agora vi-te novamente,
o coração acelerou
e tu não sai de minha mente...

Nesses tantos dias e meses,
tão vazios e tão tristes,
pela primeira vez eu
sinto que a alegria ainda existe...

Silenciosamente

Silenciosamente uma pequena aranha
enfeita uma triste cruz esquecida...
...fungos absorvem a carne apodrecida...
...vermes infames corroem nossa entranha...

Esquecer

Esquecer, não, já não posso...
Dia a dia, tentei apagar
todos os instantes insanos
nos quais nossas bocas se tocavam...

Tentei tirar teu cheiro
de minhas tristes lembranças,
de minhas roupas usadas...

Tentava lembrar dele,
de todos teus beijos nele,
de todos os carinhos...

...mas era qual se meu peito
não ligasse pro outro... tentei
com toda dor te deixar
como uma linda lembrança...

Mas não posso esquecer
e ver minha felicidade
se entregando a outros braços...
Eu não posso te deixar...

...mesmo que não seja eterno
-ninguém sabe o futuro-
mas que seja tão intenso
como a lava de um vulcão...

Eu não quero, não posso,
não devo, não tenho, não vou
te deixar como um sonho...
Esquecer, não, já não posso...

Ritmo Insoluto

Aos primeiros raios da aurora
o desértico silêncio
da madrugada é quebrado
pela minha alma que chora...

Mais uma noite fria, nevoenta...
Mais uma noite que se foi,
uma noite de uma vida só...
Mais uma noite de tormentas...

Minhas lágrimas são dous rios,
um de angústia e mui remorso,
outro de extrema saudade
dos momentos não sombrios...

Ah! Se Deus com Mão Divina
me guiasse até onde está a paz,
me desse a luz e carinho,
findando essa vil rotina...